quarta-feira, abril 18, 2007

-- VISITA A MACHU PICCHU, UMA ODISSEIA DE 5 DIAS --

Dia 5: Santa Teresa - Cuzco

Chuva, muita chuva!!!
Após 20 minutos na estrada a mota do Chris deixou de trabalhar?!?!?! Bomba de gasolina foi à vida... Bosta! Logo aqui no meio do nada! Da experiencia tida previamente com a minha bomba de gasolina, que também pifou mas em Portugal, rápidamente resolvi o problema desligando a bomba e fazendo uma ligacao directa ao deposito de gasolina. O problema é que sem a bomba a funcionar a gasolina só entra nos carburadores por gravidade. O que significa que o nivel de gasolina dentro do depósito tem de estar obrigatóriamente sempre acima do nivel dos carburadores. Tivemos assim que encher todos os depositos extra com gasolina "artesanal" para nao correr o risco de ficar a meio caminho. Acabou por resultar bem e chegámos a Cuzco ao final do dia.

Dia 4: Águas Calientes - Hidro Electrica - Santa Teresa

Perdemos o comboio das 07h23 da manha!!! E o proximo era só depois do almoco... Fazer o que? Solucao: dar corda aos sapatos e seguir caminho a pé! Foram 2h30 e 9 kms de caminhada até à Hidro electrica. Chegando à hidro ainda tivemos que caminhar até ao ponto onde tinha havido o enorme deslizamento de terras e esperar se, com alguma sorte, havia algum transporte colectivo que nos levasse até Santa Maria onde tinhamos as nossas motas. Chegámos ao local e de facto tinha havido um enorme deslizamento de terras. Pedras do tamanho de carros que ocuparam uma grande parte da estrada até ao rio. Com algum receio de novo deslize passamos por cima de toda aquela pedra para deparar que do outro lado nao havia nenhum transporte colectivo à espera de passageiros. Solucao: mais uma caminhada de 3 horas até Santa Maria. No total do dia foram cerca de 18 kms caminhados. Chegados a Santa Maria ainda tivemos forcas para pegar nas motas e seguir para Santa Teresa.







Dia 3: Visita a Macchu Picchu
04h45 da manha e já estavamos de pé para tomar o pequeno almoco. O objectivo de acordar a estas horas foi para apanhar o primeiro minibus que sobe para Machu Picchu, 05h30 da matina para lá chegar ás 06h00. E valeu a pena!! Tivemos sorte com o tempo e o dia acordou sem uma única nuvem no céu. Ver o sol nascer em Machu Picchu é uma experiencia que nao se esquece!!!! Que loucura!!! Após termos ficados sentados 30 minutos no alto à espera de ver os primeiros raios de sol bater nas ruinas da cidade, seguimos em exploracao do local. Machu Picchu é um local difícil de descrever porque nao se pode comparar com nada de semalhante. É apenas espantoso!! Foram 8 horas de caminhada e exploracao dentro de Machu Picchu. Ao fim do dia voltamos para a cidade de Águas Calientes onde iriamos apanhar o comboio das 21h30 de volta para a hidro electrica. Depois de 30 minutos dentro do comboio e ao chegar ao nosso destino a policia entrou dentro do comboio para informar todos os passageiros que se dirigiam para Santa Teresa de carro de que tinha havido um grande deslizamento de terras impedindo assim a passagem dos transportes para este povoado. Ficámos sem saber o que fazer. Ou tentávamos chegar a pé até ao local onde a estrada estava bloqueada para ver o que se passava ou voltavamos de novo para Águas Calientes. A decisao mais sensata foi voltar e na manha seguinte apanhar o primeira comboio para baixo, marcado para as 07h23 da manha.








Dia 2: Santa Maria - Santa Teresa (de mota) Santa Teresa - Águas Calientes
Na manha seguinte em vez de 3 motas eram 7 em direccao a Machu Picchu. O caminho alternativo era de facto um caminho alternativo pouco usado, muito estreito e dificil em algumas passagens. Mas foi divertido e ainda deu para tirar umas fotos valentes. Chegados a Santa Teresa tratámos de almocar e de arranjar lugar para deixar as motas durante a nossa subida a Machu Picchu. Pois Santa Teresa era a ultima povoacao onde poderiamos deixar as motas guardadas com alguma seguranca. O maluco do Guido decidiu seguir caminho até à estacao de comboio da central hidro electrica e ver até onde podia levar a mota. Nós depois do almoco apanhamos um transporte colectivo que nos deixou na estacao para apanhar o comboio para Águas Calientes, ponto de partida para a visita a Machu Picchu. Ao chegar à hidro electrica deparamos com a KTM do Guido encostada e amarrada a uma árvore. O maluco decidiu nao subir de mota pela linha do comboio, gracas a Deus!!
Apanhamos o comboio que custa 5 soles para locais e 25 soles para turistas (um roubo!!). A meio do caminho empoleirado na janela para melhor apreciar o passeio vejo o Guido a caminhar junto à linha do comboio. Nao quis pagar os 25 soles e decidiu seguir a pé. Chegados a Águas Calientes procurámos um hostal e fomos jantar cedo porque no dia seguinte iriamos ter uma alvorada muito cedo!!














Dia 1: Cuzco a Santa Maria - 200 kms
A ideia inicial da nossa ida a Machu Picchu de mota foi para poupar dinheiro. O turista normal que nao tem transporte próprio e que quer visitar a "Cidade perdida dos Incas" nao tem outra opcao se nao pagar cerca de $ 130 pelo tour organizado. Uma fortuna!! Feitas as contas para nós seria metade do nosso budget mensal só nesta visita. Nem pensar! Vamos tentar fazer isto mais barato, levando as motas até ao ponto mais próximo de Machu Picchu possivel. O maluco do Guido queria fazer o percurso pela linha do comboio...
A nossa saida de Cuzco foi atrasada por uma equipe de televisao Brasileira que nos encontrou à saída do Hotel e que insistiu em fazer uma reportagem e entrevista connosco. Feita a entrevista partimos em direccao a Ollantaytambo onde ainda pesquisamos a hipotese de levar as motas pela linha do comboio até "Águas Calientes", cidade na base de machu Picchu. Esta hipotese foi logo colocada de lado pelo perigo que representava e porque também logo apareceu um policia que evidentemente estava de olho em nós. A única solucao, e a mais inteligente, foi mesmo fazer todo o caminho pela estrada. E que estrada!! Subimos até aos 4300 mts de altitude onde o termómetro mostrava 2 graus positivos. Um frio de cao!! No topo da montanha apanhamos a estrada bloqueada por estarem a decorrer, uns kms mais a baixo, trabalhos de melhoramento da estrada. O guarda do bloqueo informou-nos de que o bloqueo só seria levantado dai a 2 horas... impossivel!! Parados ali na estrada congelaria-mos. Como nao nos foi dada autorizacao para passar, mesmo com os trabalhos a decorrer, decidi-mos ser rebeldes, levantar a cancela e seguir caminho. 100mts depois da cancela acabava o asfalto e comecava o pesadelo. Lama e muita lama numa estrada onde passam centenas de camioes por dia, podem imaginar o cenário. 20 ou 30 kms mais à frente novo bloqueo de estrada mas desta vez realmente intransponivel. Tinha havido um pequeno deslizamento de terras que bloqueou a passagem a qualquer veiculo, mesmo para motos. 1 hora de espera até que a maquinaria pesada limpasse a estrada. Com todos estes atrasos o dia já ia longo e a noite estava a cair. As ultimas duas horas de viagem até Santa Maria foram feitos de noite e com muito nevoeiro. Assustador! Santa Maria está já a uma altitude muito inferior e tem um clima muito humido. Comecamos o dia com gelo e acabamos o dia com bananeiras. Á chegada a Santa Maria encontrámos um grupo de 4 motas (XR 250), turistas Israelitas com motas alugadas e com um guia. Em conversa ao jantar o guia desta excursao informou-nos de que a estrada normal que nos levaria a Santa Teresa estava fechada também por um deslizamento de terras. Alternativa: ir atrás deles no dia seguinte para encontrar o caminho alternativo.










1 Comments:

Blogger Cristiano said...

Oi primos queridos!
As fotos e histórias sobre Machu Pichu estão incríveis. A cidade deve ser muito fascinante mesmo. Esperamos ter a oportunidade de conhecê-la um dia. Novidade: o pai ("homem-aranha") já saiu do hospital e pasmem: ele não tinha nada!
Beijos e se cuidem.
Adri e Cris

2:41 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home


Website Counter